Guia do Brasileirão 2015 - Parte 1

Vai começar o Campeonato Brasileiro de 2015. Com os rebaixamentos de Vitória e Bahia no ano passado, e as subidas de Joinville, Ponte Preta, Vasco e Avaí, o nordeste brasileiro, que sempre teve fortes equipes, estará representado apenas pelo Sport. A maior novidade é a presença de quatro equipes catarinenses, que mesmo perdendo o Criciúma, ganhou dois novos times na elite, tendo agora mais times até do que o Rio de Janeiro. Em duas postagens, apresentarei como os clubes chegam para a competição, destacando suas principais peças e também suas perspectivas na competição.


Atlético Mineiro: O Campeão Mineiro chega forte na competição, almejando conquistá-la. O time ainda sente a falta de Diego Tardelli, mas Lucas Pratto pode suprir a carência marcando gols. Com o forte elenco que possui, o Galo pode ser considerado um dos favoritos ao título, porém o desempenho na Libertadores pode lhe custar pontos perdidos no início da competição, pois caso avance deverá usar reservas nas primeiras rodadas.

Ponto fraco: Além de não ter mais a estrela do time do ano passado no elenco, Diego Tardelli, Levir Culpi ainda não conseguiu fazer a equipe ter o mesmo ritmo intenso que possuía no fim de 2014.

Ponto forte: O elenco, que conta com jogadores que podem crescer de produção durante a competição, como o colombiano Cárdenas e o atacante Jô.

Craque: Lucas Pratto, atacante argentino que possui faro de gols.

Fique de olho: Dodô, meia habilidoso, que já mostrou seu valor no final do Brasileirão do ano passado.


Atlético Paranaense: Apesar da fraquíssima campanha no Campeonato Paranaense, na qual o clube brigou para não ser rebaixado, o grupo de atletas do Furacão é qualificado e vejo-o como uma equipe para ficar no meio da tabela. A chegada do técnico Milton Mendes fez bem ao elenco, que começou a desenvolver um melhor futebol. Acredito que o que falta ainda para o time seja um meia experiênte, que distribua bons passes para os velozes atacantes.

Ponto fraco: Falta de experiência, o time tem muitos garotos talentosos, mas um jogador rodado e qualificado cairia bem na equipe, principalmente na meia-cancha.

Ponto forte: A velocidade, os contra-ataques do Furacão podem ser fatais, tornando-se um adversário difícil de ser batido também fora de casa.

Craque: Weverton, ótimo goleiro, ídolo da torcida.

Fique de olho: Edigar Júnio, atacante muito veloz e qualificado, que brilhou pelo Joinville na série B de 2014.


Avaí: Ao meu ver, o Leão da Ilha tem o elenco mais fraco de todos os clubes que disputam a competição. Fez péssimas contratações no início do ano, tanto é que o clube brigou até a penúltima rodada para não cair no Catarinense. Com a troca de técnicos, Kleina renovou o espírito da equipe, porém continuou frágil. Com o final do estadual, acreditava-se que uma grande quantidade dos jogadores que falharam seriam dispensados, porém poucos saíram. Em contrapartida, muitos atletas novos chegaram, porém apenas o zagueiro Emerson de destaque. É um pouco cedo avaliar a equipe, que está bastante modificada, mas é um provável candidato a rebaixamento.

Ponto fraco: Número grande de jogadores que não decolaram em clubes de série A, assim como o desentrosamento inicial.

Ponto forte: A bola parada, já que possui um grande cobrador, Marquinhos, e bons cabeceadores, como André Lima, Emerson, Antônio Carlos, Jeci e William Rocha.

Craque: Marquinhos, o eterno ídolo avaiano.

Fique de olho: Anderson Lopes, atacante canhoto que se movimenta muito e cria oportunidades.


Chapecoense: Mesmo sem ter chegar às finais do estadual, o time mostrou ter potencial e bons jogadores. Reforçou ainda mais, com as chegadas de Bruno Silva, peça chave na manutenção da "Chape" na elite do futebol brasileiro em 2014, e do atacante Edmílson, que fez um ótimo Paulistão pelo Red Bull. Eutrópio já teve tempo de preparar a equipe com os novos jogadores, e o time provavelmente pode já dar uma boa largada no início deste Brasileirão. Aposto em uma boa campanha, sem sustos com o "Z-4".

Ponto fraco: A falta de raça da equipe, que pode ser readquirida com o retorno de Bruno Silva.

Ponto forte: A boa base da equipe, que tem tudo para melhorar ainda mais.

Craque: Roger, atacante de muita qualidade.

Fique de olho: Hyoran, jovem meia que foi uma das revelações de Campeonato Catarinense.


Corinthians: Tite pegou o time que Mano Menezes não conseguiu entrosar em um ano, e logo no seu primeiro mês fez a equipe alcançar um altíssimo nível, fazendo a melhor campanha da primeira fase do Paulistão e uma das melhores da Libertadores. É o time mais preparado para deslanchar na competição, contudo poderá abdicar da mesma para dar preferência à Libertadores. Grande candidato ao título.

Ponto fraco: Bolas paradas, fez poucos gols desta forma e sofreu na defesa para cortar este tipo de lance.

Ponto forte: Organização, os jogadores desempenham seus papéis exatamente como seu treinador deseja.

Craque: Paolo Guerrero, atacante que dispensa apresentações.

Fique de olho: Matheus Cassini, atacante promissor.


Coritiba: Outro clube que terá muitas dificuldades para permanecer na elite este ano. Com a aposentadoria de Alex e a saída de Robinho para o Palmeiras, o clube ainda não encontrou um "camisa 10", tendo dificuldades na criação de jogadas. Rosinei e Pedro Ken tentam desempenhar o mesmo papel dos ex jogadores, mas não têm a mesma eficiência. A defesa também possui problemas, já o ataque é o melhor setor da equipe de Marquinhos Santos.

Ponto fraco: A organização das jogadas no meio de campo.

Ponto forte: O ataque, ágil e definidor.

Craque: Raphael Lucas, artilheiro disparado do Campeonato Paranaense com treze gols.

Fique de olho: Vaná, bom goleiro.


Cruzeiro: Completamente modificado da equipe que conquistou o bicampeonato brasileiro, e "mandou" no futebol nacional nos últimos anos, vem tendo dificuldades para se remontar. Teve dificuldades para classificar-se em um fraco grupo na Libertadores e foi derrotado na semi-final do Campeonato Mineiro, mesmo sendo o líder da primeira fase sem convencer. Sente muito a saída de Éverton Ribeiro, que deixou uma lacuna no meio de campo da Raposa. Possui bons jogadores no elenco, mas não acredito em uma boa campanha, a não ser que encontre a peça faltante para o time funcionar.

Ponto fraco: Carência de jogadores de mesmo nível dos que saíram no final de 2014.

Ponto forte: Velocidade, com meias, pontas e laterais rápidos, causa tormentos as flancos adversários.

Craque: Arrascaeta, meia uruguaio que vem se destacando pelos belos lances e golaços marcados, mas ainda não é o substituto de Éverton Ribeiro.

Fique de olho: Gabriel Xavier, meia que destacou-se na Portuguesa.


Figueirense: Dos times catarinenses, o Figueira possui o elenco mais competitivo e pronto para disputar a Série A. Obviamente, carece em alguns setores, contudo os jogadores costumam se doar em campo sob as ordens do técnico Argel Fuchs. As contratações do goleiro Felipe e do meia Carlos Alberto só serão boas se os dois aceitarem o banco, que provavelmente terão que encarar logo no início. Ainda deve chegar um lateral direito, já que Leandro Silva, que vinha desempenhando um bom papel, lesionou-se.

Ponto fraco: Falta de um camisa 10, o clube necessita de um toque diferenciado no meio campo.

Ponto forte: A defesa, com a manutenção de Thiago Heleno e Marquinhos, o setor defensivo continua muito forte e entrosado.

Craque: Clayton, atacante muito talentoso.

Fique de olho: Jean Deretti, meia habilidoso.


Flamengo: Uma equipe com a "cara" de Luxemburgo, ou seja, aguerrida e técnica. Apesar de perder para o Vasco na semi-final do Cariocão, fez boas partidas na competição e com a chegada de Pablo Armero, posso dizer que vejo no Flamengo um time para brigar por uma vaga na Libertadores.

Ponto fraco: As laterais, fortes fisicamente, contudo desprovidas de qualidade técnica. Com a chegada de Armero, o problema pode ter sido resolvido no lado esquerdo, porém ainda precisa de um lateral direito, já que Pará não passa de um bom reserva.

Ponto forte: O ataque, que conta com os matadores Alecsandro e Eduardo da Silva, além do incansável Marcelo Cirino.

Craque: Éverton, cabeça pensante do time. 

Fique de olho: Douglas Baggio, atacante destaque na Copa São Paulo de Juniores.


Fluminense: Mesmo com a saída do craque Conca e da Unimed, o Fluminense conseguiu montar um bom time para o ano de 2015. Unindo os garotos de Xerém aos experientes Antonio Carlos, Pierre e Magno Alves, a equipe reforçou-se com boas opções. A defesa ainda é um problema, já que normalmente Gum fica sobrecarregado ao jogar com um companheiro bem abaixo de seu nível, faltando aquele "xerifão" ainda para o setor. Assim como o Flamengo, o Tricolor pode beliscar uma vaguinha na Libertadores.


Ponto fraco: A defesa, que há anos sofre com as inconstâncias dos parceiros de Gum.

Ponto forte: A mobilidade, jogadores que podem desempenhar mais de uma função na equipe, necessários em campo para corrigir problemas de ataque ou marcação.

Craque: Fred, sempre ele.

Fique de olho: Gérson, futuro craque, meia habilidoso e diferenciado, já pretendido pelas maiores equipes do mundo.

Blog C. Fernando

Administrador; 26 anos; Católico; Apaixonado por Eduarda Guidarini; Fanático por futebol; Futebol bonito não é melhor que o eficiente; Penalti não é loteria, mas sim treinamento e competência; Torcedor do Avaí, Real Madrid e Fiorentina.

0 comentários: